Talvez os mais jovens aqui não lembrem e será preciso fazer uma contextualização (sim, conflitos de gerações – sempre acontecem aqui na agência com a galera que nasceu em 90, que diga-se de passagem, nos assusta lembrar que os 90 e até os 2000 já trabalham, mas sigamos), mas havia uma época, me recuso dizer qual, que o programa Fantástico, da Rede Globo, apresentava um quadro com o “mágico dos mágicos”, o Mister M.
MisterM

O cara era o maior pesadelo de qualquer mágico. Era o chatão que jogava água no chopp dos truqueiros de plantão e saía por aí contando todos os super segredos do ilusionismo, que a gente adorava assistir, mas obviamente, acabava com a graça da vida depois, porque nunca mais você ia sentir graça em ver um número de mágica.
Mas, gostaríamos muito de convocar aqui a ajuda do Mister M pra solucionar um mistério que deixou a equipe da Arebo intrigadíssima essa semana.

O último relatório da MapBiomas, publicado agora no último dia 26 de maio, revelou que no ano passado desapareceu do mapa brasileiro uma área equivalente a oito cidades de São Paulo. Uóti?

Como assim? Mister M? Corre aqui pra ajudar! Ah, quer dizer que as áreas que sumiram fazem parte de florestas e vegetações nativas brasileiras? Mas o que aconteceu?

images

Pô, Mister M, isso aí é fake news! O Léo não incendiou nada não, pode parar com isso aí! Tudo bem, que as áreas que desapareceram foram áreas que eram para ser de preservação ambiental e sofreram desmatamento, mas não foi isso, não!

Leo e Greta

(ah lá a cara de tranquilidade dos incendiários, quer dizer, dos ambientalistas rindo das fake news absurdas que o povo compartilha)

Falando nesse tom, até parece que é brincadeira, mas não é, não.

Hoje, 5 de junho, é Dia Mundial do Meio Ambiente. E temos que ficar MUITO preocupados. Só no ano passado, nossos biomas foram absurdamente devastados, perdemos o equivalente a oito cidades de São Paulo em nossa vegetação, isso é: 1.218.708 hectares.

Mais de 60% da área desmatada está na Amazônia, o segundo bioma mais atingido pela devastação é o Cerrado, seguido de Pantanal, Caatinga e Mata Atlântica. O relatório MapBiomas também aponta um índice alarmante de desmatamento em áreas ilegais, o número de áreas permitidas é uma exceção. Não há como proteger o meio ambiente enquanto nos calarmos diante dessa situação.

Conheça mais sobre nossos biomas, nossos povos originários, projetos que você pode ajudar, nós podemos fazer a diferença juntos. Não vamos esperar toda nossa riqueza virar pasto ou cimento.

Documentários sobre os biomas ameaçados:

Caatingas em risco (2017), dirigido por Augusto Amorim e Nelson Freire, aborda a situação atual das 14 unidades de conservação do Bioma Caatinga que se encontram sob a administração federal. A caatinga é o bioma brasileiro menos pesquisado e o mais degradado dentre todos.

Vozes da Floresta (2019), de Betse de Paula, o filme que estreou no 29° Cine Ceará dá voz à quilombolas, quebradeiras de coco e indígenas famosas —como a política Sônia Guajajara (PSOL)— e anônimas com protagonismo e narrativas que contam todas as crises do Brasil atual. A principal delas, a ambiental.

Ser Tão Velho Cerrado (2018), dirigido por André D´Elia, aborda o sofrimento do Cerrado com os desmatamentos recordes levando um ecossistema inteiro à extinção. Preocupados, alguns moradores da Chapada dos Veadeiros decidem se unir para defender a natureza. A elaboração de um plano de manejo os desafia a conciliar interesses aparentemente incompatíveis, abrindo um diálogo necessário entre a comunidade científica, agricultores familiares, grandes proprietários de terra e defensores do meio ambiente.

Ruivaldo, o Homem que Salvou a Terra (2019), dirigido por Jorge Bodanzky e com co-direção e fotografia de João Farkas, leva para a tela, por meio do personagem central que dá nome à obra, sua luta diária para sobreviver diante das consequências do assoreamento do Rio Taquari.

Mata Atlântica e os Ciclos da Vida (2012), de Fernão Mesquita e Tulio Schargel, com apenas 8% de vegetação remanescente, a Mata Atlântica, bioma que se espalhava originalmente por 17 Estados do País e ocupava 16% de todo o território nacional, abriga 131 espécies de mamíferos, 180 de anfíbios e mais de 800 tipos de aves.

Projetos para conhecer e colaborar:

SOS Amazônia
Save Cerrado
Lista de Organizações de Apoio aos Povos Indígenas
Instituto Jurumi
WWF Brasil
SOS Mata Atlântica